Category Archives: Sociologia

O imigrigante senegalês Cheikh Mbacke Gueye, assim como a maioria que chega em Caxias do Sul, é muçulmano

Adivinhe quem veio para morar

Berço da imigração europeia, o sul do país é destino de africanos e haitianos

“Quando eu saio na rua, guardo distância para não assustar as pessoas com a minha cor”, diz Abdoulahat “Billy” Njdai, imigrante senegalês. Billy e outros imigrantes que vieram da África e também do Haiti adquiriram a consciência do tom da pele negra quando chegaram no Rio Grande do Sul. Continue reading

Diálogos com Zygmunt Bauman – Fronteiras do Pensamento

Bauman alerta, principalmente, para a urgência da reinvenção dos laços humanos. Entende-se, com ele, que as identidades tradicionais se dissolveram na efemeridade afetiva da modernidade líquida.

Orientados pela refinada visão de Bauman sobre a fluidez dos laços humanos, dos conceitos e dos saberes na contemporaneidade, definimos o desafio de pensar as novas identidades e as novas formas de saber. Continue reading

Escola Municipal Campos Salles

Os Corpos Dóceis (M. Foucault) e a Escola Municipal Campos Salles

Proporcionar aos nossos jovens um ensino de qualidade parece ser um grande desafio para os governantes. Quando falamos de estudantes de baixa renda, os problemas tornam-se ainda maiores. Devido às dificuldades com que a maioria deles convive no cotidiano, muitas vezes, o desestímulo acaba prevalecendo quando o assunto é frequência escolar. Muitos têm de abandonar os estudos para ajudar os pais, seja trabalhando para complementar a renda familiar ou cuidando dos irmãos enquanto os pais trabalham. Outros acabam se “atrasando”, sentindo-se deslocados em turmas de menor idade. Há ainda aqueles que preferem viver entre seus pares, brincando, jogando videogame, ou, quando pior, envolvendo-se em atividades consideradas ilícitas. Continue reading

‘Nós hipotecamos o futuro’, critica sociólogo polonês Zygmunt Bauman

Em agosto de 2011, uma revolta em Londres chamou a atenção do mundo. Sem liderança aparente ou qualquer tipo de exigência, jovens foram às ruas. Incendiaram e saquearam lojas, invadiram shopping centers e destruíram símbolos da sociedade de consumo que os excluía.

A questão era intrigante. O que levou essas pessoas a essas ações violentas? Embora compartilhassem o contexto de crise econômica e falta de oportunidades com aqueles que levaram a cabo os movimentos da Primavera Árabe, os jovens do Reino Unido não queriam transformar a ordem. Segundo Zygmunt Bauman, “foi uma revolta de consumidores desqualificados”. Eles queriam, na verdade, participar do sistema. O sociólogo viu naquela revolta o símbolo do momento em que vivemos. Continue reading