Category Archives: História

Quadro de Edvard Munch, “Friedrich Nietzsche” (1906).

A crítica de Nietzsche à perspectiva historicista

No texto Segunda Consideração Intempestiva – Da utilidade e inconveniente da história para a vida (1873-74), Friedrich Nietzsche promove uma crítica à perspectiva histórica vigente em sua época. A historiografia com a qual o filósofo alemão se depara apresenta-se como uma imposição da ciência e da história sobre a vida. Continue reading

Estranhamento Religioso

A crítica de Marx ao estranhamento religioso nos termos propostos por Feuerbach

O jovem Marx integrou-se à vida política e intelectual ainda nos cursos de Direito, Filosofia e História, concluídos na Universidade de Berlim. Na época, tendências de oposição à monarquia absolutista da Prússia se consolidavam.

Sempre em busca de explicações mais plausíveis para a sua realidade e impregnado pela influência do iluminismo francês, do materialismo feuerbachiano, da doutrina hegeliana e da economia política clássica britânica, o jovem se fez também um oposicionista, assumindo a ideologia alemã da qual viria a ser o crítico mais radical. Continue reading

Walter Benjamin 1892 - 1940

O ensaio de Walter Benjamin: O Narrador – Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov

Associado à Escola de Frankfurt, o alemão Walter Benjamin é considerado por alguns estudiosos como o filósofo da melancolia. Filho de pais judeus, nascido em 1892, Benjamin teve uma curta carreira. Alinhou-se ao pensamento marxista anos antes do partido nazista assumir o poder na Alemanha, em 1933, quando decidiu exilar-se em Paris. O filósofo via na cidade luz uma grande fonte de inspiração para escrever seus ensaios e artigos para revistas literárias. Com a ocupação da França pelas tropas de Hitler, Benjamin empreendeu fuga sem sucesso, acabando por cometer suicídio, no ano de 1940, para não se entregar aos nazistas. Morreu aos 38 anos, mas viveu sonhando com a volta da paisagem de uma Europa que, então, encontrava-se em ruínas. Nesse sentido, o caráter melancólico do filósofo revela o anseio nostálgico representado pela relevância concedida ao ato de recordar. Continue reading

A Apologia de Sócrates

Contexto Histórico

Antes de falarmos sobre os principais pontos da defesa do grande sábio, descrita por seu principal discípulo, Platão, convém situarmos o contexto histórico em que se deram os acontecimentos.

Sócrates nasceu em 470 a.C. e foi condenado à morte no ano de 399 a.C., período de grandes transformações no mundo grego. Continue reading

O problema referente ao conceito de filosofia cristã à luz da perspectiva proposta por Étienne Gilson

Para Étienne Gilson, não há como pensar a filosofia medieval sem falar em uma filosofia cristã e, no seu papel de historiador, não lhe caberia desconsiderá-la, sob pena de limitar a informação da realidade histórica. O autor ressalta que a questão mais importante é de ordem filosófica, não objetivando saber se houve cristãos filósofos, mas se pode haver filósofos cristãos. Continue reading

(M)idiocracia – a ditadura do pensamento vulgar: fundamento e movimento

Por Mário Henrique da Luz do Prado

Tal fenômeno de padronização massificada gera o movimento social predominante. Que, hoje, se manifesta num ódio político unilateral.

A referência é, na sua existência, indiscutível como elemento de formação individual, mas, sempre, e como que axiomaticamente, discutível na essência de seu conteúdo. Continue reading

De fato e ficção

Conhecida por livros que revelam o comportamento sexual na sociedade brasileira, assim como os percalços afetivos de personagens como Dom Pedro I e Princesa Isabel, a historiadora Mary del Priore se aventura pela primeira vez num romance histórico adulto. “Beije-me onde o Sol não Alcança” trata do triângulo amoroso envolvendo um conde russo, uma jovem herdeira de terras e uma fascinante ex-escrava, figuras reais do Brasil no século 19.

Continue reading

Santiago Alba Rico

Filósofo espanhol: ‘Na cilada da islamofobia, todos são ameaçados’

MADRI – Tendo morado nos últimos 23 anos em países que foram cenário da Primavera Árabe — atualmente na Tunísia e, antes, no Egito — o filósofo espanhol Santiago Alba Rico reuniu material para escrever o livro “Islamofobia. Nosotros, los otros, el miedo” (“Islamofobia. Nós, os outros, o medo”, Icaria Editorial). Nele, traça um paralelo entre o tratamento que os judeus receberam na Segunda Guerra e o que, hoje, os muçulmanos vivenciam na Europa. Segundo Alba Rico, a aceitação de um povo como inferior e ameaçador coloca em risco o Estado de Direito e o transforma em vítima da islamofobia — algo que, para ele, é pior do que o terrorismo. “Se o antissemitismo não tivesse tido uma aceitação tão natural durante séculos, o nazismo e o Holocausto não teriam existido”, alerta.

Continue reading

Moção de Repúdio à Ignorância

“Como pode alguém ser homem de manhã e mulher à noite?”

Foi assim que alguns vereadores de Campinas, ao lançarem uma moção de repúdio a Simone de Beauvoir, interpretaram a frase objeto de questão do ‪#‎Enem2015‬ de autoria da filósofa: “ninguém nasce mulher, torna-se mulher”. Continue reading