Category Archives: Sociologia

Estranhamento Religioso

A crítica de Marx ao estranhamento religioso nos termos propostos por Feuerbach

O jovem Marx integrou-se à vida política e intelectual ainda nos cursos de Direito, Filosofia e História, concluídos na Universidade de Berlim. Na época, tendências de oposição à monarquia absolutista da Prússia se consolidavam.

Sempre em busca de explicações mais plausíveis para a sua realidade e impregnado pela influência do iluminismo francês, do materialismo feuerbachiano, da doutrina hegeliana e da economia política clássica britânica, o jovem se fez também um oposicionista, assumindo a ideologia alemã da qual viria a ser o crítico mais radical. Continue reading

Jürgen Habermas, Vienna, 2004.

O Estado de bem-estar social à luz da concepção habermasiana

RESUMO: O objetivo deste artigo é discutir a proposta habermasiana de uma esfera pública crítica, desde a sua origem até a sua reabilitação no cerne do programa de Estado de bem-estar social. Se, primeiramente, Habermas nega a possibilidade de coexistência entre uma esfera pública que age comunicativamente embasada pela racionalidade com um Estado fortemente interventor e contrário aos pressupostos liberais da economia de mercado, em um segundo momento, em resposta à hegemonia neoliberal do final do último século, o autor a reabilita como a força propulsora de um sistema de governo intervencionista e aponta os ideais para que ela se realize. Ao mesmo tempo, será demonstrado como o programa de Estado de bem-estar social pôde se desenhar nessa conjuntura até o ponto de retirar a categoria trabalho de sua centralidade utópica fazendo erigir novos preceitos sob um democratismo radical. Continue reading

Quadro de Tarsila do Amaral, "Operários" (1933).

Trabalho estranhado e Propriedade privada

A obra de Karl Marx, Manuscritos Econômico-Filosóficos, publicada em 1932, também conhecida como “Manuscritos de Paris” e “Manuscritos de 1844”, é composta por três manuscritos. Trata-se de uma obra incompleta que, segundo seus intérpretes, constitui a “Introdução à Economia” de Marx – embora ele não tenha, até então, demonstrado autonomia para falar do assunto, limitando-se a citar outros autores.

A relação entre os pares conceituais determinados “Trabalho estranhado e Propriedade privada” é o leitmotiv da obra em questão; falar de um remete ao outro, pois ambos os conceitos não podem ser dissociados. Continue reading

Adorno e Horkheimer

A “Dialética do Esclarecimento”, de Adorno e Horkheimer

Os filósofos frankfurtianos Theodor Adorno e Max Horkheimer propuseram-se a árdua tarefa, na obra de 1947, Dialética do Esclarecimento (DE), de descobrir por que a humanidade, ao invés de entrar em um estado verdadeiramente humano, de civilidade, estaria se afundando em uma espécie de barbárie.

De início, os autores subestimaram a dificuldade de tal exposição, pois ainda depositavam excessiva confiança no potencial crítico da consciência em voga, imaginando poder encontrar a solução dentro da realidade existente através do recurso crítico à teoria das disciplinas tradicionais, como a sociologia, a psicologia e a teoria do conhecimento (epistemologia). Continue reading

Teoria do Medalhão: Kant, Freud e Ingenieros na obra machadiana

No conto Teoria do Medalhão, Machado de Assis nos brinda, mais uma vez, com sua fina ironia ao referir-se ao comportamento de certas figuras da sociedade.

Por meio de um diálogo entre pai e filho, o autor expõe o caminho para tornar-se um homem medíocre ou, como ele prefere chamar sarcasticamente, um ‘medalhão’. Continue reading

Breves considerações antropofágicas

Ao procurarmos o sentido etimológico da palavra “antropófago”, constatamos que ela vem do grego “anthropos” + “phagein”, que significam, respectivamente, homem e comer. No senso comum, denota comer uma ou várias partes de um ser humano. No entanto, ao aprofundar-se no conceito, comumente chamado de canibalismo, merece relevante destaque o fato de tratar-se de um ritual, Continue reading

(M)idiocracia – a ditadura do pensamento vulgar: fundamento e movimento

Por Mário Henrique da Luz do Prado

Tal fenômeno de padronização massificada gera o movimento social predominante. Que, hoje, se manifesta num ódio político unilateral.

A referência é, na sua existência, indiscutível como elemento de formação individual, mas, sempre, e como que axiomaticamente, discutível na essência de seu conteúdo. Continue reading

Zygmunt Bauman: “As redes sociais são uma armadilha”

Ele é a voz dos menos favorecidos. O sociólogo denuncia a desigualdade e a queda da classe média. E avisa aos indignados que seu experimento pode ter vida curta.

Zygmunt Bauman acaba de completar 90 anos de idade e de tomar dois voos para ir da Inglaterra ao debate do qual participa em Burgos (Espanha). Está cansado, e admite logo ao começar a entrevista, mas se expressa com tanta calma quanto clareza. Sempre se estende, em cada explicação, porque detesta dar respostas simples a questões complexas. Desde que colocou, em 1999, sua ideia da “modernidade líquida” – uma etapa na qual tudo que era sólido se liquidificou, e em que “nossos acordos são temporários, passageiros, válidos apenas até novo aviso” –, Bauman se tornou uma figura de referência da Sociologia. Suas denúncias sobre a crescente desigualdade, sua análise do descrédito da política e sua visão nada idealista do que trouxe a revolução digital o transformaram também em um farol para o movimento global dos indignados, apesar de que não hesita em pontuar suas debilidades. Continue reading

O imigrigante senegalês Cheikh Mbacke Gueye, assim como a maioria que chega em Caxias do Sul, é muçulmano

Adivinhe quem veio para morar

Berço da imigração europeia, o sul do país é destino de africanos e haitianos

“Quando eu saio na rua, guardo distância para não assustar as pessoas com a minha cor”, diz Abdoulahat “Billy” Njdai, imigrante senegalês. Billy e outros imigrantes que vieram da África e também do Haiti adquiriram a consciência do tom da pele negra quando chegaram no Rio Grande do Sul. Continue reading